Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sopa De letras

Vinha à procura de sopa? Aqui há , mas só de letras! Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora.

Vinha à procura de sopa? Aqui há , mas só de letras! Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora.

Não Desapareças!

Desde o primeiro dia que se encontraram que ela o amou, um amor diferente como nunca tivera por ninguém. Ele representava para ela inocência que em tempos tinha perdido. Trazia-lhe de volta os sentimentos bons que a vida a fizera perder. Era jovem, belo e puro demais para ela. A sua candura lavava-lhe a alma, mas ela achava que se consumasse o seu amor a sua paixão por ele, perderia tudo num dia. Desde que a vira quando lhe abrira a porta, na firma onde era recepcionista que ele a fixara na memória. Achara-a bela, fria, inatingível. Era um desafio para ele que gostava de desafios. Eram raras as vezes que se cruzavam na firma onde ambos trabalhavam e se tinham conhecido. Mas numa dessas raras vezes combinaram tomar café. Descobriram que ambos vinham terras próximas para se terem cruzado num destino tão distante do seu destino de origem. Ela desejava-o para ele desde o primeiro momento mas ele ostentava o aviso de coração ocupado na sua mão. Por ironia ou acaso do destino, no fim desse dia ela decidiu dar outro rumo ao seu coração. Passaram-se meses sem se verem. Ela saíra da firma e não se dera ao trabalho de se despedir. Voltaram a cruzar-se em plena rua de Cedofeita, ele descortinara-a por acaso entre transeuntes, artistas de rua, vendedoras de meias e de frutas. Ela reconheceu-o imediatamente. Trocaram palavras e números de telefone. Mas ficaram-se pelas palavras. Ela sentira um brilho diferente nos seus olhos quando ele a descobrira. Os anos passaram e ambos, sem saberem um do outro, à sua terra de origem regressaram. Numa noite de festa, um antigo amigo dela reconhece-a e chama-a, mas é ele o seu amor fugitivo em que os dela recaem. Finalmente saem juntos. Trocam beijos e carícias. Mas o coração dela desta vez estava dividido. O fascínio por a mente preversa e calculista de outro prendia-a. Tentava inutilmente lutar contra isso. Senia as grilhetas duma paixão sórdida e destruidora a lutarem contras as asas de uma paixão pura que promete ser feliz. Há contudo nela um lado frio, oculto que a submete a tão destruidor fascínio. O desejo de vingança. Confessa-lhe que se sente dividida. Ele pensa que ela não o ama. Porém um amor puro como o que sente por ele, ela nunca o teve por ninguém. Um amor tão puro que a faz protegê-lo renunciando ao que mais deseja: consumar a sua paixão por ele. Assim ela não regressa aos braços do outro e desiste da vingança. Decide lutar não pela vingança, mas sim pelo amor. O tempo fora implacável. Era tarde demais. Ele seguira com a sua vida como ela o aconselhara a fazer. Reencontram-se. Abraçam-se e despedem-se, pedido um ao outro: - Não desapareças! Mas nunca mais se cruzaram. Ela guarda-o num cantinho especial do coração como aquele que lhe devolveu alma e consola-se de o ter perdido pensando que dessa forma jamais o viria a odiar como odeia aquele que um dia a fascinou. Conto de ficção escrito por mim para Fábrica de Histórias ilustração retirada da internet

O CARACOL PREGUIÇOSO E A NUVEM TRABALHADORA

Era uma vez um caracol que andava a passear todo contente com as suas antenas ao sol. Enquanto passeava ele ia cantarolando:

Que lindo dia de sol!

Para andar passear

Que lindo dia de sol!

Eu sou um belo caracol

Que anda aqui a cantar…

Lá lá lá lá lá lá……

Andava então na sua vidinha muito satisfeito o caracol, espevitando muito contente as suas antenas o sol, a passear de folha verdinha em folha verdinha. Todo contente e satisfeito, mordiscava uma folhinha aqui, mordiscava uma folhinha ali e ia dizendo a toda a gente e encontrava que aquele era um belo dia. Um dia perfeito. Sim um dia perfeito para um caracol preguiçoso que nada gostava mais de fazer senão passear e comer alegremente de antenas ao sol.

 

Enquanto o caracol andava assim alegre na sua vida, espreitava uma nuvem marota e atrevida:

-“ Que bela vida tem este caracol. Deve ser bom, nada mais ter para fazer, do que passear ao sol. Mas eu tenho trabalho a fazer e por isso o sol vai desaparecer e agora vai chover”- pensou a nuvem divertida com a grande partida que ia pregar ao caracol que andava a passear -“coitado, quando der por ela, nem a casota lhe vai valer. Vai ficar todo encharcado!”- e riu-se num riso de nuvem muito molhado, pois ao mesmo tempo começou a enviar uma grande quantidade de gotas de água grossas e fortes que ao chegarem à terra deixaram tudo encharcado.

 O nosso caracol, é que inicialmente nem se apercebeu do que aconteceu. Tinha comido e passeado tanto que acabara por ficar cansado, e recolhendo-se para dentro da sua confortável casinha que sempre viajava nas suas costas adormeceu, bem instalado num folha comprida e verdinha. Mas com a força da chuva, a folha abanou e o pobre caracol rebolou e acordou! Tinha caído numa pequena poça de água que se tinha formado e ao sair cá para fora, com a curiosidade de saber o que estava acontecer, e tinha ficado encharcado. Olhou para o céu admirado,”para onde teria ido o sol?” pensava o pobre caracol todo molhado e desapontado.

Lá bem no alto no céu, estava entretida a brincar a nossa nuvem atrevida. Já se cansara de trabalhar. Agora era a sua vez de andar entretida. Ia começar a brincar ao faz-de conta das nuvens, acabava de fazer de conta que era uma nuvem flor quando ouviu o caracol a resmungar:

-Estava um dia tão bonito e tinha que vir uma nuvem pateta fazer chuva para o estragar!

 

A nuvem ofendida e muito inchada decidiu que estava na hora de responder àquele caracol preguiçoso que não fazia nada. Assim começou a chamar o caracol:

-Pssst pssst senhor caracol!

O caracol olhava, olhava e nada via em seu redor.

-Pssst pssst senhor caracol! Procure melhor!

O caracol continuava a olhar a para todo o lado sem ver quem o estava a chamar.

-Pssst! Pssst! Senhor caracol! Procure melhor! Sou eu a nuvem que estou aqui em cima ao pé de si!

-Ah! Só podia ser! - respondeu o caracol com cara de caso e de poucos amigos, pois não tinha gostado nada de ter ficado encharcado. - Onde é que já se viu molhar as pessoas que andam a passear, assim sem mais nem menos, sem sequer avisar? –resmungou amuado.

 

- Sabe senhor caracol enquanto andava o senhor a passear de antenas espevitadas ao sol, eu estava a trabalhar para que o senhor se pudesse alimentar e abrigar!

-A trabalhar?! Chama trabalhar a encharcar as pessoas? -retrucou indignado o caracol.

 Mas a nuvem muito calma e a sorrir continuou:

- Sim a trabalhar! Se o senhor teve folhas verdes e apetitosas para se deliciar e abrigar a descansar, do seu passeio ,mas se não fosse eu receio que passasse fome. Pois se eu não enviasse uma boa carga de água para que as plantas se pudessem alimentar e renovar ficado verdes viçosas, estas não só deixariam de ser tão apetitosas como morreriam de fome e de sede. Não morrerias tu de sede se deixasse de chover? O que irias beber? Talvez não fosse agradável ficar encharcado, mas olhe como está tudo mais bonito e verdinho! Ou vai dizer-me que não tinha notado?

  O caracol envergonhado com o seu egoísmo reconheceu que nunca tinha pensado que de facto a nuvem tinha razão. E também não era assim tão grave nem desagradável ter-se molhado, pois até se tinha refrescado e num instante tinha secado.

  Assim a nuvem e o caracol fizeram as pazes e tornaram-se grandes amigos, pois às vezes podia não parecer , mas se o caracol e outros seres viviam não era só ao sol que o deviam, mas também a nuvem que fazia chover para que as plantas pudessem e eles e os outros seres vivos tivessem água beber.

Conto escrito e ilustrado por mim dedicado à minha filha Bárbara, inspirado num Conto de António Torrado.

Flora Rodrigues

12 de Outubro de 2008

 

 

CARTA DE AGRADECIMENTO

CARTA DE AGRADECIMENTO


Logo depois de ter lido aqueles documentos sobre a avaliação dos professores, pensei
como lhe deveria agradecer, Srª Ministra

. Afinal, aquelas horas passadas diariamente junto do
meu filho a verificar se os cadernos e as fichas estavam bem organizados, a preparar a mochila
e as matérias a estudar para o dia seguinte, a folhear a caderneta escolar, a analisar e a assinar
os trabalhos e os testes realizados nas muitas disciplinas, a curar a inflamação de uma
garganta dorida pela voz de comando “Vai estudar!” ou pela frase insistentemente repetida,
de 2ª a 6ª feira:”DESPACHA-TE! AINDA CHEGAS ATRASADO!” ou o incómodo e o tempo
perdido para o levar diariamente à Escola, percorrendo, mais cedo do que seria necessário, um
caminho contrário àquele que me conduziria ao meu emprego, tinham finalmente, os seus
dias contados. Doravante, essa responsabilidade passaria para a Escola e, individualmente,
para cada um dos seus professores. Finalmente, poderei ir ao cinema, dar dois dedos de
conversa no Café do Sr. Artur, trocar umas receitinhas com a minha vizinha (está entrevadinha,
coitadinha!) ou acomodar-me deliciosamente no sofá da sala a ver a minha telenovela
brasileira preferida.
O rapaz ainda me alertou para os efeitos das faltas o conduzirem à realização de uma
prova de recuperação. Fiz contas e encolhi os ombros - poupo gasóleo e muitos minutos de
caminho, de tráfego e de ajuntamentos. Afinal, ele até é esperto e, se calhar, na internet,
encontra alguns trabalhos ou testes já feitos… Sempre pode fazer “copy – paste”…
Efectivamente, as provas de recuperação parecem-me a melhor solução para acabar com a
minha asfixia matinal e vespertina. Ontem, a minha vizinha da frente, que tem dois ganapos na
escola do meu, disse-me que, se ele continuar a faltar, o vêm buscar a casa, e que, no próximo
ano lectivo, os professores vão tomar conta deles depois das aulas.
Oiro sobre azul. Obrigada, Srª Ministra. A Senhora é que percebe desta coisa de ser
mãe! A Senhora desculpe a minha ousadia, mas será que também não seria possível fazer uma
lei para os miúdos poderem ficar a dormir na escola? Bastava mandar retirar as mesas e
cadeiras das salas de aula e substituí-las por beliches, à noite. De manhã, era só desmontar e
voltar a arrumar. Têm bar, cantina e até duche. Com jeito, eles ainda aprendiam alguma
coisinha sobre tarefas domésticas, porque, em casa, não os podemos obrigar a fazer nada ou
somos acusados de exploradores do trabalho infantil com a ameaça dos putos ainda poderem
apresentar queixa junto das autoridades policiais.

 

 


recebi do por mail

Quem é a cozinheira?

Calendário

Outubro 2008

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Espreitar no caldeirão.

 

subscrever feeds

Blogs de Portugal

A provar a sopa

Comeram Sopa de Letras

contador de visitantes

Gostos