Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora
Domingo, 1 de Fevereiro de 2009
O espelho da vida

 

 

Olhou para o espelho, a imagem que este reflectia era de uma mulher de idade, triste e pensativa cujo rosto se encontrava sulcado pelas marcas do tempo como ela gostava de se referir às rugas. Não era o rosto jovem e belo que muitos anos atrás a encantara, mas tinha algo de especial. O seu rosto contava histórias. Cada sulco, cada traço vincado no seu rosto trazia-lhe à memória os momentos bons e maus que tinha vivido, os rosto jovens e lisos daqueles que tinham partido cedo demais, os rostos de quem amara e de quem a amara, que, já tinham partido, o rosto daqueles com quem se desencontrara ao longo da grande viagem da sua vida. Olhava-se no espelho e curiosamente o seu rosto marcado pelo passar dos anos trazia-lhe à memória outros rostos, de outros tempos e entre esses rostos vinha-lhe à memória o seu próprio rosto no dia em que vira pela primeira vez um espelho.

 Provinha de uma família humilde onde a grande felicidade era conseguirem todos terem um prato de comida na mesa. A mobília era reduzida e tosca feita à mão pelo pai, Pastor de profissão que no pouco tempo livre, que, tinha se entretinha a trabalhar a madeira. As roupas eram poucas e tinham sido costuradas pela mãe. Eram lavadas vezes sem conta, para as poderem usar sem o odor do suor.

 Viviam numa localidade rural perdida no meio da serra no interior do país onde a luz e a água canalizada só chegaram depois de ela ter parido o primeiro filho sozinha de cócoras, por a parteira da região vizinha não ter conseguido chegar a horas. 

Casara com o seu único amigo de infância, mas este cansado de sentir preso pelas montanhas da serra que cercavam a paisagem, decidiu tornar-se vendedor e percorrer o mundo, o que, quando ela não o podia acompanhar lhe trazia muitas horas de solidão, mas nas alturas em que o podia acompanhar sentia-se muito feliz por ele ter escolhido essa vida. Pois foi graças a isso que conseguir da sair das grades de montanha e partir para uma vila mais civilizada. Porém secretamente na alma dela sentia saudades das montanhas, da solidão e da quietude da serra a que se habituara. Sentia saudades de fazer amor debaixo de um pinheiro manso ouvindo o balir das ovelhas, sem que tivessem que se preocupar se aparecia alguém ou não, pois ali não ia vivalma com medo de se perder e só se atrevia quem nascera naqueles caminhos.

  Estava grávida do primeiro dos seus catorze filhos quando o marido lhe trouxera uma prenda especial.

-Abre. - Disse ele com uma ansiedade indisfarçável - mas tem cuidado que se pode partir!

Ela abriu e viu um rosto belo de mulher, traços perfeitos, os cabelos castanhos dourados reluziam e os olhos azuis pareciam dois lagos de água límpida, a boca perfeita sorria.

- É uma bela fotografia (conhecia fotografias apenas porque ele lhe mostrara nas suas primeiras viagens), mas porque me trazes uma foto de uma jovem que nem conheço?

-Porque essa jovem é tu, e quis que todos os dias soubesses como o teu rosto é belo. O que tens na mão chama-se espelho e o rosto que ele emoldura é o teu.

 Ela riu-se envergonhada da sua ingenuidade de criança. Mas adorava aquele espelho no quarto a emoldurar o seu rosto todas as manhãs. E embora ao longo da vida tivesse melhorado de vida e tivesse fotografias emolduradas espalhadas pela casa, a fotografia do seu rosto, que, ela gravara na memória naquele dia, permanecia a mais bela que alguma vez vira.

Olhou de novo para o espelho, e o rosto emoldurado por um lenço e marcado pelas linhas e sulcos do tempo, devolveu-lhe a imagem que ela vira pela primeira vez no espelho. Atrás dela viu o marido de quem se despedira um ano antes, a sorrir. Depois o espelho deixou de reflectir o seu rosto e apenas reflectia o seu quarto em redor. E a fotografia que desta vez o espelho emoldurava, ao mesmo que a surpreendia, trouxe-lhe um sentimento de paz e felicidade.

Deitada na cama, rodeada pelos seus entes queridos que dela se despediam lacrimosamente, o seu rosto idoso cansado repousava sereno, sorrindo feliz.

 Conto de ficção de minha autoria para a Fábrica de Histórias  ilustração retirada da Internet

 

 

 

 


música: Forever young- Alpahaville

Sopa servida Alfa às 23:01
Receita da sopa | Meta a colher | Esta sopa é deliciosa
|

3 comentários:
De Lua de Sol a 2 de Fevereiro de 2009 às 13:12
Gostei da oferta do espelho...


De Alfa a 2 de Fevereiro de 2009 às 19:42
Vês não resisti.Já regressei aos fantasmas....


De Sara V. a 6 de Fevereiro de 2009 às 10:41
Tlim tlim...
Prémio no Tintas! (Desta apeteceu-me, coisa que não costumo fazer por lá)
Está à tua espera!!!!! Como seria de esperar, hehe
Bjs para todos


Comentar post

Quem é a cozinheira?
Procure no Caldeirão
 
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


A sair do Caldeirão

Partiste

Palácio de Estrelas.

Uma Amiga especial

Top 5 de Verão!

Provérbio chinês

Para o ano 2012

Reflexão

desabafo um pouco mal edu...

Uma vida banal

Tesouros Valiosos

Entre a atracção e a razã...

In memoriam a um grande a...

Vai um café com leite par...

Sonhos

O 25 de Abril explicado à...

A arte de Dali que afinal...

Um estranho dia…

A Girafa Constipada

Um novo capítulo

O espelho da vida

As linhas que nunca foram...

Uma carta do passado.

Uma nova estrela no firma...

Fragmentos I - TARDES DE ...

Apenas em doze meses…

Feliz ano novo

Feliz Natal

Infielmente Fiel

Um Domingo diferente.

Chapéu Violeta

Sopas Servidas

Dezembro 2015

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

tags

25 de abril

abandono

amor

anedota

aniversário

aniversário da bárbara

ano novo

aulas

aviso importante

avó

beijos

bem

bens materiais

borracha

carta

celebração

citaçõesguerra dos sexos

colecções

conto

conto ficção fábrica de histórias

conto infantil

conversa

coração dividido

crianças

cruz vermelha

dali pps arte ignorância

desafio

desejos

desemprego

desilusão

dia da mãe

dias normais

domingo

escrever

espelho

esquecer

euro 2004

euro 2008

fábrica de de histórias

fábrica de histórias

faca de dois gumes

falar

faxina

feliz natal

ficção

ficcção

força

futebl

guerra

história

história para crianças

história.

homenagem

homenagem acidentes de viação

humor

inocência

inspira-me

jogo

láis

lendas

liberdade

lmbra

mal

mar

memória

moldura

mulher

olhão

paixão

palavra

parabéns

pescadores

poder

poema

poesia

professora

quadra

refelexões

reflexão

rocha

sátira

saudades

sedução

segredos

sexo

tampax

tempo

traição

vela

velhice

velhice rétrarto

vida

violência

violência doméstica

todas as tags

As sopas mais saborosas

Sabor a azul do Céu...

Para que serve uma relaçã...

Um novo capítulo

Dias normais?

Dia de Faxina

Estarás sempre no meu cor...

Beijo melhor do que cozin...

O Erro do poeta

Coisas de Anjo

A Força da Chama

Meto a colher em
O Meu blog de Mamã
Crónicas de uma Mãe Atrapalhada
É Urgente olhar
logo da campanha Por Darfur
O Rádio da Sopa De Letras




a comer sopa
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds