Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora
Terça-feira, 16 de Setembro de 2008
Romance triste de um lápis.

 

Ele era um lápis especial, feito da melhor madeira, o seu interior era feito da grafite mais pura, aprimorada pelas gomas e resinas de maior qualidade. Quase todas as Lapiseiras o adoravam, mas ele achava que estas tinham uma personalidade muito artificial. Afinal ele era um lápis genuíno de esmerado fabrico. Era uma verdadeira criação da Natureza. Um dia, ela chegou. Foi como que uma lufada de ar fresco entre folhas de papel amachucadas, lapiseiras artificiais e borrachas gastas pelo tempo. Aquela borracha parecia diferente. Juntos poderiam formar uma equipa imbatível, pois certamente com um aspecto daqueles, ela só traria perfeição ao seu trabalho. Via-se que era uma borracha exigente com o seu trabalho. Assim que chegara apagara logo alguns rabiscos mal desenhados pelos seus companheiros já gastos e destreinados,cuja grafite nunca fora de tão boa qualidade como a sua tornando-lhes a escrita deselegante e áspera.

 

Estava certo de ter encontrado a sua alma gémea. Decidiu declarar-se-lhe. Assim que vislumbrou uma folha de papel imaculadamente branca e pediu-lhe ajuda para o efeito. A folha de papel não resistiu aos encantos do lápis e deixou que este a preenchesse com as suas palavras de amor para a borracha.

-És linda. - Escreveu ele.

A borracha limitou-se apagar o que ele escreveu.

Claro – pensou ele. - Uma borracha exigente quer algo mais.

-Tens umas formas perfeitas.

A borracha tornou a apagar o que o lápis escrevera. Cego pela paixão, achou que ela queria que ele lhe escrevesse mais palavras belas.

-A tua pele rosa é tão macia, tão bela e tem um toque de veludo.

 A borracha tornou apagar o que ele escrevera. Porém cego e convencido de que a borracha estava conquistada por si e quisera apenas dar-lhe de novo a sentir o toque da sua pele, voltou a escrever palavras de elogio à perfeição da borracha, palavras de admiração e juras de amor eterno. Todas as frases escritas pelo lápis, a borracha apagou friamente, palavra, por palavra, letra por letra, se tornar numa borracha vulgar e demasiada gasta.

 

 O lápis triste e desiludido com borracha, desabafou com a folha que se tornara a sua melhor amiga. Contou-lhe das suas ilusões, como pensara que esta borracha pudesse aperfeiçoar o seu trabalho, mas como se desiludira ao ver que ela apenas sabia destruir o que os outros criavam e a si própria. Desabafou o seu desejo de encontrar uma alma gémea que absorvesse os seus pensamentos e soubesse trabalhar em equipa com ele. Foi então que reparou que a folha estivera sempre do seu lado, apoiando-o, absorvendo as suas ideias, tornando-as reais. Percebeu que a sua alma gémea estivera sempre ali e ele nunca vira. Não a ia perder. Declarou-se. A folha ficou feliz por finalmente ter percebido que ela estava ali. Mas era tarde demais, a sua vida estava a terminar. Tinha ficado gasta, amachucada e ferida demais pelo escrever e o apagar das declarações de amor à borracha. O lápis amargurado por ter perdido o seu verdadeiro amor, por sua culpa deixou-se afiar até ao fim e nunca mais quis escrever uma letra que fosse.

 

 

 

conto de ficção escrito por mim

ilustração da internet.


sinto-me: inspirada

Sopa servida Alfa às 09:19
Receita da sopa | Meta a colher | Esta sopa é deliciosa
|

7 comentários:
De Sara V. a 18 de Setembro de 2008 às 00:52
Este amei! Está muito bem escrito, cheio de imaginação e é, sem dúvida, belo. Engenhoso. Faz-me lembrar o estilo de alguém que conheço bem, ah ah!
Parabéns. Adorei!
Beijocas


De Alfa a 18 de Setembro de 2008 às 12:18
Quando era miúda adorava escrever coisas destas.Uma vez escrevi um diálogo entre uma vassoura, uma pá, um caixote do lixo e todos os seus congéneres novos que haviam acabado de chegar...a professora fartou-se de rir.Ando a preparar o regresso dos fantasmas.


De Lua de Sol a 19 de Setembro de 2008 às 01:14
Os fantasmas contigo prometem sempre! É marca registada, lol!


De Alfa a 19 de Setembro de 2008 às 02:38


De iolanda da silva a 25 de Setembro de 2009 às 00:28
Adorei esta história. Parece com uma experiencia de amor que tive. Tive a ousadia de copiar esta história no meu blog mas colocarei o seu blog como referencia.
Adorei mesmo. Voce é muito criativa.


De Anónimo a 2 de Agosto de 2010 às 17:57
gostai muito de ler de novo esta historia
ana felix do 5g


De Alfa a 3 de Agosto de 2010 às 00:36
Ainda bem.Hoje li á minha filha ada lapiseira.Espero ue não a tenham deitado fora. Um beijinhos para Rita


Comentar post

Quem é a cozinheira?
Procure no Caldeirão
 
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


A sair do Caldeirão

Partiste

Palácio de Estrelas.

Uma Amiga especial

Top 5 de Verão!

Provérbio chinês

Para o ano 2012

Reflexão

desabafo um pouco mal edu...

Uma vida banal

Tesouros Valiosos

Entre a atracção e a razã...

In memoriam a um grande a...

Vai um café com leite par...

Sonhos

O 25 de Abril explicado à...

A arte de Dali que afinal...

Um estranho dia…

A Girafa Constipada

Um novo capítulo

O espelho da vida

As linhas que nunca foram...

Uma carta do passado.

Uma nova estrela no firma...

Fragmentos I - TARDES DE ...

Apenas em doze meses…

Feliz ano novo

Feliz Natal

Infielmente Fiel

Um Domingo diferente.

Chapéu Violeta

Sopas Servidas

Dezembro 2015

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

tags

25 de abril

abandono

amor

anedota

aniversário

aniversário da bárbara

ano novo

aulas

aviso importante

avó

beijos

bem

bens materiais

borracha

carta

celebração

citaçõesguerra dos sexos

colecções

conto

conto ficção fábrica de histórias

conto infantil

conversa

coração dividido

crianças

cruz vermelha

dali pps arte ignorância

desafio

desejos

desemprego

desilusão

dia da mãe

dias normais

domingo

escrever

espelho

esquecer

euro 2004

euro 2008

fábrica de de histórias

fábrica de histórias

faca de dois gumes

falar

faxina

feliz natal

ficção

ficcção

força

futebl

guerra

história

história para crianças

história.

homenagem

homenagem acidentes de viação

humor

inocência

inspira-me

jogo

láis

lendas

liberdade

lmbra

mal

mar

memória

moldura

mulher

olhão

paixão

palavra

parabéns

pescadores

poder

poema

poesia

professora

quadra

refelexões

reflexão

rocha

sátira

saudades

sedução

segredos

sexo

tampax

tempo

traição

vela

velhice

velhice rétrarto

vida

violência

violência doméstica

todas as tags

As sopas mais saborosas

Sabor a azul do Céu...

Para que serve uma relaçã...

Um novo capítulo

Dias normais?

Dia de Faxina

Estarás sempre no meu cor...

Beijo melhor do que cozin...

O Erro do poeta

Coisas de Anjo

A Força da Chama

Meto a colher em
O Meu blog de Mamã
Crónicas de uma Mãe Atrapalhada
É Urgente olhar
logo da campanha Por Darfur
O Rádio da Sopa De Letras




a comer sopa
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds