Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008
Cartas de amor modernas

 

 

Escrevi-te uma carta em papel perfumado….” É assim que começa uma canção sobre uma carta de amor. Hoje os tempos são outros quem sabe será desta forma que se passará escrever sobre cartas de amor:

 

 

 Escrevi-te um e-mail num monitor quadrado, no meu computador já antiquado. Pus no fundo uma música de amor e adicionei-lhe um coração animado. Quis-te enviar um e-mail encantado. Decorei-o com um gif animado. Assim, decorei-o com fadas e duendes que te alegrariam e animariam enquanto lias as minhas palavras de amor. Quis deixar algo que te alegrasse na tua tela de monitor. Teclei palavras meigas sem parar no meu novo teclado. Juntei outra música às palavras de amor e às letras de cor. Digitei palavras sem fim, esperando em retorno o teu amor por mim. Arquivei essa carta nas pastas do meu computador, numa pasta chamada: “cartas para o meu amor”. Salvei uma cópia nas pasta de enviados, pois podia reenviar no caso de haver e-mails extraviados.

 

 

 Já quase no fim, deixei-me levar pelo meu coração e foi, então, sem resistir à tentação que quis saber se querias partilhar para sempre do meu amor, saíres da tela do meu monitor, deixares de ser virtual e viveres a meu lado uma vida real.

 

Esperei, com grande emoção, o aviso no meu monitor. Batia-me descompassado o coração. Fiquei na dúvida. Dirias que sim? Dirias que não?

 

Não precisei de esperar pelo dia seguinte para o carteiro tocar. Passado um minuto, no meu monitor estava um envelope a avisar que o reply ansiado tinha chegado à caixa de correio do meu computador. Foi com as mãos a tremer que fui ver. Assim que o abri, não me contive de emoção e gritei para o mundo me ouvir: Disse que sim! Disse que sim! Foi, então, que a campainha tocou e tu estavas ali ao meu lado, fora do monitor, para tornarmos real o nosso amor.

 

 

Flora Rodrigues

22/04/2004



Sopa servida Alfa às 15:00
Receita da sopa | Meta a colher | Esta sopa é deliciosa
|

2 comentários:
De Sara V. a 10 de Julho de 2008 às 10:17
Para "matar as saudades" (hehe)...

O tema está interessante. Gosto das comparações do papel com as letras coloridas e animadas com um qualquer gift que se "batem" nos teclados... O amor, o amor já não é o que era, agora a tradição é outra! Mas o sentimento... pode ser o mesmo. Mudam-se os tempos mas não se mudam certas vontades:)
Bjs


De Alfa a 14 de Julho de 2008 às 00:38
É uma brioncadeira com aletras de uma cançaão vê se adivinhas qual é a canção...jinhos


Comentar post

Quem é a cozinheira?
Procure no Caldeirão
 
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


A sair do Caldeirão

Partiste

Palácio de Estrelas.

Uma Amiga especial

Top 5 de Verão!

Provérbio chinês

Para o ano 2012

Reflexão

desabafo um pouco mal edu...

Uma vida banal

Tesouros Valiosos

Entre a atracção e a razã...

In memoriam a um grande a...

Vai um café com leite par...

Sonhos

O 25 de Abril explicado à...

A arte de Dali que afinal...

Um estranho dia…

A Girafa Constipada

Um novo capítulo

O espelho da vida

As linhas que nunca foram...

Uma carta do passado.

Uma nova estrela no firma...

Fragmentos I - TARDES DE ...

Apenas em doze meses…

Feliz ano novo

Feliz Natal

Infielmente Fiel

Um Domingo diferente.

Chapéu Violeta

Sopas Servidas

Dezembro 2015

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

tags

25 de abril

abandono

amor

anedota

aniversário

aniversário da bárbara

ano novo

aulas

aviso importante

avó

beijos

bem

bens materiais

borracha

carta

celebração

citaçõesguerra dos sexos

colecções

conto

conto ficção fábrica de histórias

conto infantil

conversa

coração dividido

crianças

cruz vermelha

dali pps arte ignorância

desafio

desejos

desemprego

desilusão

dia da mãe

dias normais

domingo

escrever

espelho

esquecer

euro 2004

euro 2008

fábrica de de histórias

fábrica de histórias

faca de dois gumes

falar

faxina

feliz natal

ficção

ficcção

força

futebl

guerra

história

história para crianças

história.

homenagem

homenagem acidentes de viação

humor

inocência

inspira-me

jogo

láis

lendas

liberdade

lmbra

mal

mar

memória

moldura

mulher

olhão

paixão

palavra

parabéns

pescadores

poder

poema

poesia

professora

quadra

refelexões

reflexão

rocha

sátira

saudades

sedução

segredos

sexo

tampax

tempo

traição

vela

velhice

velhice rétrarto

vida

violência

violência doméstica

todas as tags

As sopas mais saborosas

Sabor a azul do Céu...

Para que serve uma relaçã...

Um novo capítulo

Dias normais?

Dia de Faxina

Estarás sempre no meu cor...

Beijo melhor do que cozin...

O Erro do poeta

Coisas de Anjo

A Força da Chama

Meto a colher em
O Meu blog de Mamã
Crónicas de uma Mãe Atrapalhada
É Urgente olhar
logo da campanha Por Darfur
O Rádio da Sopa De Letras




a comer sopa
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds