Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008
Ninguém vive de Suposições!

 

 

Ninguém vive de suposições! Afirmamos por vezes peremptoriamente. Será mesmo assim? Ou será que, sem nos apercebermos passamos a maior parte da vida a acreditar em suposições. Os pais fazem aquilo que acham ser o melhor para os seus filhos. Mas será mesmo? Quantas vezes não agirão e tomarão decisões sem sequer se interessarem por conhecer um pouco melhor os seus filhos, apesar das boas intenções. Tais actos muitas vezes são baseados em de meras Suposições! Suposições, transformadas em acções que causam infelicidade por vezes, e vão aos poucos tornar-se num sufoco, originando em vez da satisfação um grito de revolta dos filhos!

      Quantos casais não constróem as suas relações em suposições, achando que tudo o que fazem, tem por objectivo a felicidade do seu companheiro. Mas quantas vezes esses casais param para falar sobre os seus verdadeiros ideais de vida, e os seus reais sentimentos. As pessoas julgam que já conhecem o outro e as suas necessidades, não precisam de conversar para entendê-lo, têm a certeza do que o outro quer. Mas será que têm a certeza ou apenas supõem? Estou a lembrar-me de um caso que infelizmente se tem tornado algo banal. A história de um casal apaixonado, que todos achavam perfeito e que ao fim de algumas anos acabou por se separar. O motivo era simples. Ele quis a todo o custo subir na vida, porque achava que o objectivo de ambos era o estatuto social e uma conta bancária confortável. Ele trabalhava sem parar e incitava-a a fazer o mesmo. Ao fim de uns tempos, mal se viam e pouco tempo tinham para falar. Até que um dia ela se cansou e o conflito latente rebentou. Ela não queria mais aquela vida, aquela relação. Não queria luxo, nem dinheiro, queria apenas alguém a seu lado, que tivesse tempo para ela. Queria uma relação, talvez com menos conforto mas com mais felicidade. Ele achou, que ela estava a ser injusta. No seu modo de ver, ele nunca lhe tinha faltado com nada. E na verdade não lhe tinha faltado com nada que fosse de ordem material. Mas faltava o essencial o afecto, o amadurecer da própria relação. Ele não percebeu, que na realidade apenas supôs que a estivesse a fazer feliz.

 

 As pessoas mudam, por vezes transportam sonhos e ideais durante uma vida inteira, outras vezes é o caminho da vida que lhes desperta novos ideais e novos desejos. As pessoas são por vezes para elas próprias enigmas indecifráveis. Talvez seja um acto de egoísmo encapotado dizer e pensarmos:

 “Estou a fazer o melhor para essa pessoa ”; talvez seja honestamente o que pensamos, mas quantas vezes ousamos a pedir a opinião do interessado. Será que custa assim tanto de vez em quando pararmos um pouquinho de supormos tão leviana e inconscientemente? Parar, para conhecermos verdadeiramente aqueles que nos rodeiam, para salvarmos as nossas relações. Cultivá-las em terreno fértil, regá-las com afecto, adubá-las com diálogo e renová-las com a luz do conhecimento, para que a harmonia, a verdadeira felicidade e o entendimento possam florescer lado a lado viçosos e coloridos. Supostamente é o que todos desejamos ou estarei eu a fazer apenas uma mera suposição?

 

foto retirada da internet


sinto-me: pensativa

Sopa servida Alfa às 13:00
Receita da sopa | Meta a colher | Esta sopa é deliciosa
|

5 comentários:
De Ohayo a 11 de Junho de 2008 às 23:20
Suposições... é verdade... Falta de diálogo em relações ou entre pessoas que podiam ter tudo para se dar bem... gostei. Vai para os favoritos. Bacinos!


De Alfa a 12 de Junho de 2008 às 12:27
Fico honrada por gostares das minhas reflexões sobre situações da vida.Um beijinhos


De Jorge Soares a 13 de Junho de 2008 às 00:12
Olá

Eu acho que o problema é que as pessoas não falam das suas espectativas, nem antes nem durante o casamento, simplesmente deixam-se levar, vão deixando andar, até que um dia já não aguentam mais..e já não há nada a fazer.

Infelizmente há cada vez mais casos como os que contas, porque as pessoas vivem juntas mas não em conjunto, vive cada um para a sua vida e a sua carreira...em lugar de viver para a familia.. que seria o suposto

Excelente post
Jorge


De Alfa a 22 de Junho de 2008 às 01:42
É exactamente o que dizes as pessoas vivem juntas mas não em conjunto,mas não só nos casais isso reflecte como nos filhos e aos poucos esquecemos-nos do que realmente é importante. Obrigada pela visita.Volta sempre.


De Anónima a 30 de Novembro de 2008 às 23:15
É verdade o que dizes.
Vive-se juntos mascada um faz a sua vida.
É o que está acontecendo comigo e ele ainda não deu por ela ao fim de 24 anos de casamento.
Só somos um porque dividimos as despesas da casa.
mais nada
mas enfim..
É a vida


Comentar post

Quem é a cozinheira?
Procure no Caldeirão
 
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


A sair do Caldeirão

Partiste

Palácio de Estrelas.

Uma Amiga especial

Top 5 de Verão!

Provérbio chinês

Para o ano 2012

Reflexão

desabafo um pouco mal edu...

Uma vida banal

Tesouros Valiosos

Entre a atracção e a razã...

In memoriam a um grande a...

Vai um café com leite par...

Sonhos

O 25 de Abril explicado à...

A arte de Dali que afinal...

Um estranho dia…

A Girafa Constipada

Um novo capítulo

O espelho da vida

As linhas que nunca foram...

Uma carta do passado.

Uma nova estrela no firma...

Fragmentos I - TARDES DE ...

Apenas em doze meses…

Feliz ano novo

Feliz Natal

Infielmente Fiel

Um Domingo diferente.

Chapéu Violeta

Sopas Servidas

Dezembro 2015

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

tags

25 de abril

abandono

amor

anedota

aniversário

aniversário da bárbara

ano novo

aulas

aviso importante

avó

beijos

bem

bens materiais

borracha

carta

celebração

citaçõesguerra dos sexos

colecções

conto

conto ficção fábrica de histórias

conto infantil

conversa

coração dividido

crianças

cruz vermelha

dali pps arte ignorância

desafio

desejos

desemprego

desilusão

dia da mãe

dias normais

domingo

escrever

espelho

esquecer

euro 2004

euro 2008

fábrica de de histórias

fábrica de histórias

faca de dois gumes

falar

faxina

feliz natal

ficção

ficcção

força

futebl

guerra

história

história para crianças

história.

homenagem

homenagem acidentes de viação

humor

inocência

inspira-me

jogo

láis

lendas

liberdade

lmbra

mal

mar

memória

moldura

mulher

olhão

paixão

palavra

parabéns

pescadores

poder

poema

poesia

professora

quadra

refelexões

reflexão

rocha

sátira

saudades

sedução

segredos

sexo

tampax

tempo

traição

vela

velhice

velhice rétrarto

vida

violência

violência doméstica

todas as tags

As sopas mais saborosas

Sabor a azul do Céu...

Para que serve uma relaçã...

Um novo capítulo

Dias normais?

Dia de Faxina

Estarás sempre no meu cor...

Beijo melhor do que cozin...

O Erro do poeta

Coisas de Anjo

A Força da Chama

Meto a colher em
O Meu blog de Mamã
Crónicas de uma Mãe Atrapalhada
É Urgente olhar
logo da campanha Por Darfur
O Rádio da Sopa De Letras




a comer sopa
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds