Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007
Incorrigível

Lisboa, 2 de Janeiro de 2000

 

Querida Maria,

 

Desculpa, eu quis viver a minha vida ignorando que te tinha ao meu lado. Estava demasiado embrenhado no meu mundo para perceber que te podia perder. No meu mundo, tu ias esperar até que um dia eu arranjasse tempo para ti. Mas a verdade é que tudo estava em primeiro lugar, a minha profissão, a minha ambição, os meus sonhos, os meus amigos, as minhas metas, os meus projectos, o meu sucesso. Pensei que o tempo ia parar para ti, e tu ias guardar o teu amor e esperar eternamente por mim.

      Mas o tempo não parou e o meu egoísmo aumentou. Vivia isolado no meu de sucesso. Embriagado com o sucesso, esquecia a euforia da corrida do tempo. Foi quando acordei e tu disseste que ias partir, que o tempo não parava, que o mundo continuava girar e tu não podias continuar parada à espera que um dia eu arranjasse tempo para te amar. Quis suplicar-te que não partisses mas o meu egoísmo impediu-me de arranjar tempo para sequer te suplicar.

     Mas o tempo não parou, e tu partiste em busca do tempo perdido. Pergunto-me se algum dia o conseguirás recuperar. Pergunto-me se irás voltar. Pergunto-me se o tempo me dará uma nova chance para te amar. Eu não percebi que o tempo passou a correr e que eu te deixei cada vez mais sozinha, porque eu tinha sempre que fazer. Eu não percebi que os nossos filhos cresceram e se fizeram homens e mulheres. Eu não percebi que também tu tinhas tanto para fazer e pedias-me sempre para parar, pois tu ainda conseguias arranjar tempo para me amar.

          Eu não sei como fizeste para arranjar tanto tempo. Tu arranjaste tempo para trabalhar, para educar os nossos filhos. Arranjaste tempo para dançar, para conversar e para cuidares de mim. Tu conseguiste viver, amar a vida e eu que te criticava por não ambicionares mais, do que essa vida simples que tinhas, nem sequer soube arranjar tempo para te amar.

  Eu não percebi, que eu não vivi. Corri, sem parar, sem olhar para os lados, como quem faz uma viagem sem ver a paisagem e fica sem nada para contar.

O tempo passou e eu amanheci sozinho. Completamente sozinho. Só hoje percebi que corria de encontro à solidão. Agora percebo a tua forma de viver. Tu sabias amar a vida. Eu nunca soube sequer amar. Desculpa não te ter ajudado a criar os nossos filhos, não te ter amado, não te ter compreendido. Desculpa não te ter deixado ensinares-me a amar a vida. Desculpa se eu fui tão egoísta ao ponto de ignorar que também tinhas direito a sonhar.

          Sei que as lágrimas e o arrependimento em nada vão ajudar, mas não te queria deixar partir sem ao menos te pedir perdão do fundo do coração. Hoje eu arrependo-me do tempo que não passei contigo. Arrependo-me da dança que ficou por dançar, do passeio que ficou por dar, a conversa que ficou por acabar, da viagem que nunca fizemos, da vida que ficou por viver, do amor que eu não te soube dar.

        A verdade é que sempre te invejei porque sabias combater a solidão e eu não.

     Talvez seja tarde de mais para te fazer feliz, espero que não seja tarde de mais para te pedir perdão.

 Desculpa, escrever, mas não consegui arranjar tempo para te visitar.

 Creio ser esta a forma mais rápida de saber se tenho ou não o teu perdão.

 Desculpa....

 

Sempre teu

José                                                                                                                                                                   



Sopa servida Alfa às 10:00
Receita da sopa | Meta a colher | Esta sopa é deliciosa
|

8 comentários:
De daplanicie a 4 de Dezembro de 2007 às 17:26
Talvez seja a história de muitas pessoas um pouco por todo o mundo...infelizmente. Gostei mesmo muito deste post, parabéns!
Beijinhos


De Alfa a 4 de Dezembro de 2007 às 17:36
Infelizmente sim, acho que há muitos Josés por aí, completamente incorrigíveis.
Obrigada.Beijinhos


De lucilia_cunha a 4 de Dezembro de 2007 às 18:36
que bonita que esta, infelizmente existem muitos Josés assim, mas se ainda há vida em qualquer altura é sempre muito bonito ouvir um pedido de perdão!!!!
Beijinhos, cont . de boa escrita...


De Alfa a 6 de Dezembro de 2007 às 14:15
Obrigada.Sim tens razão, por outro lado,mas de que serve um pedido de perdão se se volta a fazer o mesmo???? beijinhos.


De cigana a 5 de Dezembro de 2007 às 12:40
Tão impressionante... tão dramático... tão real!
Adorei!


De Alfa a 6 de Dezembro de 2007 às 14:18

Obrigada. quanto a ser real, digamos que eu tive o desprazer de conhecer alguns Josés, pegar nas palavras proferidas juntar retalhos dos vários, fantasiar um pouco, juntar todos num e escrever. A realidade é a melhor fonte de inspiração.

beijinhos
e bem vinda


De Lua de Sol a 7 de Dezembro de 2007 às 14:21
Esta carta é tão real, cheia de sentimento. Pena que os Josés demorem a perceber o que eles próprios sentem e façam as Marias mudarem de rumo e de sonho...

Beijocas


De Alfa a 3 de Janeiro de 2008 às 14:02
Sim é real , é inspirada nuns quantos Josés que tive o (des)prazer de conhecer. beijinhos


Comentar post

Quem é a cozinheira?
Procure no Caldeirão
 
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


A sair do Caldeirão

Encosta-te mim

Partiste

Palácio de Estrelas.

Uma Amiga especial

Top 5 de Verão!

Provérbio chinês

Para o ano 2012

Reflexão

desabafo um pouco mal edu...

Uma vida banal

Tesouros Valiosos

Entre a atracção e a razã...

In memoriam a um grande a...

Vai um café com leite par...

Sonhos

O 25 de Abril explicado à...

A arte de Dali que afinal...

Um estranho dia…

A Girafa Constipada

Um novo capítulo

O espelho da vida

As linhas que nunca foram...

Uma carta do passado.

Uma nova estrela no firma...

Fragmentos I - TARDES DE ...

Apenas em doze meses…

Feliz ano novo

Feliz Natal

Infielmente Fiel

Um Domingo diferente.

Sopas Servidas

Fevereiro 2018

Dezembro 2015

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

tags

25 de abril

abandono

amor

anedota

aniversário

aniversário da bárbara

ano novo

aulas

aviso importante

avó

beijos

bem

bens materiais

borracha

carta

celebração

citaçõesguerra dos sexos

colecções

conto

conto ficção fábrica de histórias

conto infantil

conversa

coração dividido

crianças

cruz vermelha

dali pps arte ignorância

desafio

desejos

desemprego

desilusão

dia da mãe

dias normais

domingo

escrever

espelho

esquecer

euro 2004

euro 2008

fábrica de de histórias

fábrica de histórias

faca de dois gumes

falar

faxina

feliz natal

ficção

ficcção

força

futebl

guerra

história

história para crianças

história.

homenagem

homenagem acidentes de viação

humor

inocência

inspira-me

jogo

láis

lendas

liberdade

lmbra

mal

mar

memória

moldura

mulher

olhão

paixão

palavra

parabéns

pescadores

poder

poema

poesia

professora

quadra

refelexões

reflexão

rocha

sátira

saudades

sedução

segredos

sexo

tampax

tempo

traição

vela

velhice

velhice rétrarto

vida

violência

violência doméstica

todas as tags

As sopas mais saborosas

Sabor a azul do Céu...

Para que serve uma relaçã...

Um novo capítulo

Dias normais?

Dia de Faxina

Estarás sempre no meu cor...

Beijo melhor do que cozin...

O Erro do poeta

Coisas de Anjo

A Força da Chama

Meto a colher em
O Meu blog de Mamã
Crónicas de uma Mãe Atrapalhada
É Urgente olhar
logo da campanha Por Darfur
O Rádio da Sopa De Letras




a comer sopa
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds