Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora
Sexta-feira, 16 de Julho de 2004
os 7 Pecados Capitais
Certo dia um casal ao chegar do trabalho encontrou algumas pessoas dentro de sua casa. Achando que eram ladrões ficaram assustados, mas um homem forte e saudável, com corpo de halterofilista disse:



- Calma pessoal, nós somos velhos conhecidos e estamos em toda parte do mundo.

- Mas quem são vocês? - pergunta a mulher.

- Eu sou a Preguiça! - responde o homem másculo - Estamos aqui para que vocês escolham um de

nós para sair definitivamente da vida de vocês.

- Como pode você ser a preguiça se tem um corpo de atleta que vive malhando e praticando

esportes? - indagou a mulher.

- A preguiça é forte como um touro e pesa toneladas nos ombros dos preguiçosos, com ela ninguém

pode chegar a ser um vencedor.



Uma mulher velha curvada, com a pele muito enrugada que mais parecia uma bruxa diz:



- Eu, meus filhos, sou a Luxúria.

- Não é possível! - diz o homem - Você não pode atrair ninguém com essa feiúra.

- Não há feiúra para a luxúria queridos. Sou velha porque existo a muito tempo entre os homens, sou

capaz de destruir famílias inteiras, perverter crianças e trazer doenças para todos até a morte. Sou

astuta e posso me disfarçar na mais bela mulher.



Um mau cheiroso homem, vestindo uns maltrapilhos de roupas, que mais parecia um mendigo diz:



- Eu sou a cobiça, por mim muitos já mataram, por mim muitos abandonaram famílias e pátria, sou

tão antigo quanto a Luxúria, mas eu não dependo dela para existir. Tenho essa aparência de mendigo porque por mais bem vestido que me apresente, por mais rico que seja sempre vou querer o que não me pertence.



- E eu, sou a Gula.- diz uma lindíssima mulher com um corpo escultural e cintura finíssima, seus

contornos eram perfeitos e tudo no corpo dela tinha harmonia de forma e movimentos.



Assustam-se os donos da casa, e a mulher diz:



- Sempre imaginei que a gula seria gorda.

- Isso é o que vocês pensam! - responde ela. - Sou bela e atraente porque se assim não fosse seria

muito fácil livrarem-se de mim. Minha natureza é delicada, normalmente sou discreta, quem tem a

mim não se apercebe, mostro-me sempre disposta a ajudar a busca da luxúria.



Sentado em uma cadeira num canto da casa, um senhor, também velho, mas com o semblante bas-tante sereno, com voz doce e movimentos suaves, diz:



- Eu sou a Ira. Alguns me conhecem como cólera. Tenho muitos milênios também. Não sou homem, nem mulher assim como meus companheiros que estão aqui.

- Ira? Parece mais o vovô que todos gostariam de Ter! - diz a dona da casa.

- E a grande maioria me tem! - responde o vovô. - Matam com crueldade, provocam brigas horríveis e destroem cidades quando me aproximo. Sou capaz de eliminar qualquer sentimento diferente de mim, posso estar em qualquer lugar e penetrar nas mais protegidas casas. Mostro-me calmo e sereno para mostrar-lhes que a Ira pode estar aparentemente manso. Posso também ficar contido no íntimo das pessoas sem me manifestar provocando úlceras, câncer e as mais temíveis doenças.



- Eu sou a Inveja. Faço parte da história do homem desde sua aparição. - diz uma jovem que ostentava uma coroa de ouro cravada de diamantes, usava braceletes de brilhantes e roupas de fino pano, assemelhando-se a uma princesa rica e poderosa.



- Como inveja? Se é rica e bonita e parece ter tudo o que deseja. –diz a mulher da casa.

- Há os que são ricos, os que são poderosos, os que são famosos e os que não são nada disso, mas eu estou entre todos, a inveja surge pelo que não se tem e o que não se tem é a felicidade. Felicidade depende de amor, e isso é o que mais carece na humanidade. Mortes e sofrimento, onde eu estou esta também a Tristeza.



Enquanto os invasores se explicavam, um garoto que aparentava cerca de cinco a seis anos brincava pela casa. Sorridente e de aparência inocente, característica das crianças, sua face de delicados traços mostravam a plenitude da jovialidade, olhos vívidos.



- E você garoto, o que faz junto a esses que parecem ser a personificação do mal?



O garoto responde com um sorriso largo e olhar profundo:



- Eu sou o Orgulho.

- Orgulho? Mas você é apenas uma criança? Tão inocente como todas as outras.



O semblante do garoto tomou um ar de seriedade que assusta o casal, e ele então disse:



- O orgulho é como uma criança mesmo, mostra-se inocente e inofensivo, mas não se enganem, sou tão destrutível quanto todos aqui, quer brincar comigo?



A Preguiça interrompe a conversa e diz:



- Vocês devem escolher quem de nós sairá definitivamente de suas vidas.



Queremos uma resposta.

O homem da casa responde:



- Por favor, dêem dez minutos para que possamos pensar.



O casal se dirige para seu quarto e lá fazem várias considerações.

Dez minutos depois retornam.



- E então? - pergunta a Gula.



- Queremos que o Orgulho saia de nossas vidas.



O garoto olha com um olhar fulminante para o casal, pois queria continuar ali. Porém, respeitando a decisão dirige-se para a saída. Os outros, em silêncio, iam acompanhado o garoto quando homem da casa pergunta:



- Ei! Vocês vão embora também?



O Menino, agora com ar de severo e com a voz forte de um orador experiente diz:



- Escolheram que o Orgulho saísse de suas vidas e fizeram a melhor escolha.



Pois onde não há Orgulho não há preguiça, pois os preguiçosos são aqueles que se orgulham de nada fazer para viver não percebendo que na verdade vegetam.



Onde não há orgulho não há Luxúria, pois os luxuriosos têm orgulho de seus corpos e julgam-se merecedores.



Onde não há orgulho, não há Cobiça, pois os cobiçosos têm orgulho das migalhas que possuem, juntando tesouros na terra e invejando a felicidade alheia, não percebendo que na verdade são instrumentos do dinheiro.



Onde não há orgulho, não há Gula, pois os gulosos se orgulham de suas condição e jamais admitem que o são, arrumam desculpas para justificar a gula, não percebendo que na verdade são marionetes dos desejos.



Onde não há orgulho, não há Ira, pois os irados tem facilidade com aqueles que, segundo o próprio julgamento, não são perfeitos, não percebendo que na verdade sua ira é resultado de suas próprias imperfeições.



Onde não há orgulho, não há inveja, pois os invejosos sentem o orgulho ferido ao verem o sucesso alheio seja ele qual for, precisam constantemente superar os demais nas conquistas, não percebendo que na verdade são ferramentas da insegurança.



Saíram todos sem olhar para trás, e ao baterem a porta, um fulminante raio de luz invadiu o recinto, e o casal desintegrou-se



Diz a lenda que eles viraram Anjos!

Fonte:http://www.sca.org.br/contos/ceospc16.htm


Sopa servida Alfa às 01:21
Receita da sopa | Meta a colher | Esta sopa é deliciosa
|

8 comentários:
De Cristiana a 17 de Maio de 2005 às 15:22
muito legal este site, parabens pela sopa q estava deliciosa e me deixa copiar a receita pois ela pode curar muita gente sabia ?


De daplanicie a 17 de Outubro de 2007 às 09:29
Adorei este post! Parabéns pela escolha.
Beijinho


De Alfa a 19 de Outubro de 2007 às 11:34
Obrigada,mas o mérito é mesmo do site de onde o retirei as histórias são fantásticas. O difícil é escolher, porque são todas excelentes.


De Infiel a 25 de Novembro de 2007 às 19:52
costumo dizer que não sou orgulhosa mas, depois de ler este conto, já não sei se poderei sentir-me orgulhosa de não ser orgulhosa hehehe
entendes??


De Mamã Gansa a 25 de Novembro de 2007 às 20:26
Sim, é como estarmos orgulhosa por não sermos orgulhosas, afinal somos ou não ?


De Infiel a 29 de Novembro de 2007 às 03:28
pois... não sei!!
não somos mas estamos!!! lol


De Euzinho =D a 23 de Janeiro de 2008 às 20:51
áa...pecados são bons sim *-* quem n gosta de comer até fartar? quem não gosta de andar bem vestido? quem n gosta de ter muito dim dim? nhaiii sum um pecador elevado a 7 xD e me 'orgulho' de ser assim


De Alfa a 19 de Março de 2008 às 13:23
cada um de nós tem as nossas tentações e os nossos pecados .Uns são capitais outros são um prazer fatal que nos alegram a vida.


Comentar post

Quem é a cozinheira?
Procure no Caldeirão
 
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


A sair do Caldeirão

Partiste

Palácio de Estrelas.

Uma Amiga especial

Top 5 de Verão!

Provérbio chinês

Para o ano 2012

Reflexão

desabafo um pouco mal edu...

Uma vida banal

Tesouros Valiosos

Entre a atracção e a razã...

In memoriam a um grande a...

Vai um café com leite par...

Sonhos

O 25 de Abril explicado à...

A arte de Dali que afinal...

Um estranho dia…

A Girafa Constipada

Um novo capítulo

O espelho da vida

As linhas que nunca foram...

Uma carta do passado.

Uma nova estrela no firma...

Fragmentos I - TARDES DE ...

Apenas em doze meses…

Feliz ano novo

Feliz Natal

Infielmente Fiel

Um Domingo diferente.

Chapéu Violeta

Sopas Servidas

Dezembro 2015

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

tags

25 de abril

abandono

amor

anedota

aniversário

aniversário da bárbara

ano novo

aulas

aviso importante

avó

beijos

bem

bens materiais

borracha

carta

celebração

citaçõesguerra dos sexos

colecções

conto

conto ficção fábrica de histórias

conto infantil

conversa

coração dividido

crianças

cruz vermelha

dali pps arte ignorância

desafio

desejos

desemprego

desilusão

dia da mãe

dias normais

domingo

escrever

espelho

esquecer

euro 2004

euro 2008

fábrica de de histórias

fábrica de histórias

faca de dois gumes

falar

faxina

feliz natal

ficção

ficcção

força

futebl

guerra

história

história para crianças

história.

homenagem

homenagem acidentes de viação

humor

inocência

inspira-me

jogo

láis

lendas

liberdade

lmbra

mal

mar

memória

moldura

mulher

olhão

paixão

palavra

parabéns

pescadores

poder

poema

poesia

professora

quadra

refelexões

reflexão

rocha

sátira

saudades

sedução

segredos

sexo

tampax

tempo

traição

vela

velhice

velhice rétrarto

vida

violência

violência doméstica

todas as tags

As sopas mais saborosas

Sabor a azul do Céu...

Para que serve uma relaçã...

Um novo capítulo

Dias normais?

Dia de Faxina

Estarás sempre no meu cor...

Beijo melhor do que cozin...

O Erro do poeta

Coisas de Anjo

A Força da Chama

Meto a colher em
O Meu blog de Mamã
Crónicas de uma Mãe Atrapalhada
É Urgente olhar
logo da campanha Por Darfur
O Rádio da Sopa De Letras




a comer sopa
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds