Letras atiradas ao acaso saídas de uma Caixinha de Pandora
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007
Pégadas de Areia


Era uma vez, outra vez o mar…

Marisol de olhos tristes e sonhadores, mais uma vez passeava descalça junto ao mar. O dia inda não rompera por completo, só agora se viam os primeiros raios de sol a se espreguiçar. Mas, todos os dias, àquela hora, Marisol passeava descalça junto ao mar. Aguardava a chegada do pai, que regressava da sua faina por aquela hora.

      Desde que se entendia por gente que gostava de aguardar a chegada do pai e ver os pescadores recolherem as redes. Quando a pesca era boa alegria, era tanta que parecia uma festa, e se por acaso calhava alguém passar na praia àquela hora, tinha por vezes a sorte de ser brindado com algum peixinho fresquinho, que assim “caído” do mar para o prato até sabia melhor.

     Mas quando a pesca não rendia, quase não se ouvia nenhum som, a não ser o suave marulhar das ondas e o pesado arrastar das redes vazias, anunciando, pratos vazios e dias de fome. Mas apesar de tudo os piores dias não eram esses, pois pouco tempo depois, com a graça de Deus (e dos peixes), tudo se compunha. Os piores dias eram aqueles em que por força da necessidade os pescadores se lançavam ao mar bravio e não mais tornavam. Os piores dias eram aqueles em que os pescadores por vezes eram surpreendidos com o mau tempo e só  a muito custo regressavam.

           Naquele dia Marisol acordara com um estranho pressentimento. Dirigira-se para a praia mais cedo que o costume e agudizaram-se os seus medos. Das letras pouco sabia, (apesar das suas catorze primaveras já contadas), mas sabia ler nas nuvens e nas ondas a vontade do mar. E naquele dia o mar parecia-lhe bravo, enraivecido, irado por tudo e por nada, como um homem que em certos dias acorda zangado com a vida.

             As horas passavam-se e a embarcação de seu pai não regressava. O mar cada vez mais irado encapelava-se.

               Marisol ajoelhara-se na areia, as ondas por vezes acariciavam-lhe os joelhos deixando-lhe a saia molhada, e rezava pedindo que seu pai regressasse. A praia enchera-se de mulheres de, algumas vestidas de negro pelo mar lhes ter roubado os seus maridos. Falavam entre si e choravam, antevendo a mágoa de uma morte anunciada. Mas, Marisol permanecia queda e muda, olhos fitos no mar e pensamento firme em Deus, ignorando tudo em seu redor, como se, só  ela, a praia e o céu existissem naquele momento.

      E, de repente, fosse pela reza de Marisol, ou porque a hora de seu pai ainda não tinha chegado, ou porque a vontade de Deus assim o queria: o mar amainou, o sol brilhou com mais força e o barco de seu pai regressou, com mais companheiros que tinham salvo de morte certa, motivo pelo qual se tinham atrasado tanto naquela manhã.

           Marisol ergueu-se e abraçou o pai assim que este chegou, chorando de alegria e alívio. Mais tarde dirigiu-se à capelinha para levara flores, para agradecer a Nossa Senhora a protecção a seu pai e seus companheiros e qual não foi o seu espanto, quando, ao começar arranjar as flores, verificou que os  pés da santa se encontravam cobertos de areia húmida, olhou para trás e reparou que um rasto de pequenas pegadas marcadas de areia húmida conduziam ao altar da santa.

 

Conto de ficção da minha autoria inspirado as lendas que a minha avó materna exímia contadora de histórias, natural de Olhão e filha de pescadores me contava na infância.

 Ilustração das fotos das fotos do sapo álbum de Nunoeninha









Sopa servida Alfa às 14:13
Receita da sopa | Meta a colher | Esta sopa é deliciosa
|

4 comentários:
De Lua de Sol a 6 de Novembro de 2007 às 02:18
Muito bonito. As lendas são musas inspiradoras sem igual... Adorava ouvir a minha bisavó transmontana a contar histórias. Quando lá ia de férias, à noite, todas na cama, a bisa contava-me histórias de meninas, de lenhadores (que por aquelas bandas não há mar) e contava-as do quarto do lado... Só lhe ouvia a voz, enquanto punha a perna em cima da barriga da minha avó...abraçada a ela, quentinha e embalada pela voz da bisa...

Beijinhos


De Alfa a 8 de Novembro de 2007 às 11:54
Dá saudades dos mimos não é? Eu adorava passar horas a ouvir a minha avó.

beijinhos


De Ohayo a 6 de Novembro de 2007 às 10:59
Chegou a um momento que quase não respirei... não gosto de finais tristes... depois a surpresa, o ambiente que envolve, para o acordar da esperança. Gostei. Obrigada por me convidares a ler este texto.


De Alfa a 9 de Novembro de 2007 às 13:08
Tenho finais tristes,mas este é sobre a esperança e a fé.


Comentar post

Quem é a cozinheira?
Procure no Caldeirão
 
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


A sair do Caldeirão

Partiste

Palácio de Estrelas.

Uma Amiga especial

Top 5 de Verão!

Provérbio chinês

Para o ano 2012

Reflexão

desabafo um pouco mal edu...

Uma vida banal

Tesouros Valiosos

Entre a atracção e a razã...

In memoriam a um grande a...

Vai um café com leite par...

Sonhos

O 25 de Abril explicado à...

A arte de Dali que afinal...

Um estranho dia…

A Girafa Constipada

Um novo capítulo

O espelho da vida

As linhas que nunca foram...

Uma carta do passado.

Uma nova estrela no firma...

Fragmentos I - TARDES DE ...

Apenas em doze meses…

Feliz ano novo

Feliz Natal

Infielmente Fiel

Um Domingo diferente.

Chapéu Violeta

Sopas Servidas

Dezembro 2015

Agosto 2013

Julho 2013

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

tags

25 de abril

abandono

amor

anedota

aniversário

aniversário da bárbara

ano novo

aulas

aviso importante

avó

beijos

bem

bens materiais

borracha

carta

celebração

citaçõesguerra dos sexos

colecções

conto

conto ficção fábrica de histórias

conto infantil

conversa

coração dividido

crianças

cruz vermelha

dali pps arte ignorância

desafio

desejos

desemprego

desilusão

dia da mãe

dias normais

domingo

escrever

espelho

esquecer

euro 2004

euro 2008

fábrica de de histórias

fábrica de histórias

faca de dois gumes

falar

faxina

feliz natal

ficção

ficcção

força

futebl

guerra

história

história para crianças

história.

homenagem

homenagem acidentes de viação

humor

inocência

inspira-me

jogo

láis

lendas

liberdade

lmbra

mal

mar

memória

moldura

mulher

olhão

paixão

palavra

parabéns

pescadores

poder

poema

poesia

professora

quadra

refelexões

reflexão

rocha

sátira

saudades

sedução

segredos

sexo

tampax

tempo

traição

vela

velhice

velhice rétrarto

vida

violência

violência doméstica

todas as tags

As sopas mais saborosas

Sabor a azul do Céu...

Para que serve uma relaçã...

Um novo capítulo

Dias normais?

Dia de Faxina

Estarás sempre no meu cor...

Beijo melhor do que cozin...

O Erro do poeta

Coisas de Anjo

A Força da Chama

Meto a colher em
O Meu blog de Mamã
Crónicas de uma Mãe Atrapalhada
É Urgente olhar
logo da campanha Por Darfur
O Rádio da Sopa De Letras




a comer sopa
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds